João 17.1-11 - 7º Domingo da Páscoa - 28.05.2017

Caderno de Cultos 2017

28/05/2017

ACOLHIDA
Este (Jesus Cristo), no entanto, porque continua para sempre, tem o sacerdócio imutável. Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por Eles (Hb 7.24-25 ARA). Querida comunidade, o sacrifício de Jesus Cristo é eterno, suficiente e insubstituível! Ainda na lembrança da Páscoa, a morte e ressurreição de Jesus Cristo nos são motivo de alegria, consolo e esperança. Ele é o sacerdote eterno e imutável! Não há mais a necessidade de sacrifícios e esforços de nossa parte, o sacrifício dEle foi perfeito e suficiente. Alicerçados nesta mesma esperança e certeza, é que iniciamos este culto em nome do Deus que é Pai, Criador, Filho, Redentor e Espírito Santo, Santificador, Amém. Bom dia a todos!

Acolhemos também os nossos visitantes de maneira bem especial (É possível pedir que se manifestem). É bom tê-los conosco. Sintam-se bem entre nós e retornem sempre que quiserem e puderem.

CANTO DE ENTRADA
Jorge Camargo - Ajuntamento

SAUDAÇÃO
Que a graça do Senhor Jesus, o amor de Deus, O Pai, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos nós nesta noite. Amém.

CANTOS DE INVOCAÇÃO
365 – HPD II – Vem Espírito Santo, vem

CONFISSÃO DE PECADOS
(É possível, aqui, oportunizar a oração individual com um momento em silêncio).
Senhor, de maneira bem especial e significativa, humildemente, queremos nos apropriar dos benefícios do teu sacrifício por nós na cruz! Sim, toda a desgraça e maldição que deveriam ser nossas, tu assumiste na cruz. Por isso, pedimos perdão! Perdão porque não damos o devido valor para aquilo que fizeste por nós. Perdoa porque não testemunhamos como poderíamos! Perdoa quando tudo o que fizeste por nós não é traduzido em amor e perdão de uns para com os outros. Há muita culpa em nós, Senhor. Em ti, santidade eterna. Por isso, rogamos por perdão! Perdoa cada em que, verdadeiramente, confessa o pecado confiante no seu perdão. Amém!

ANÚNCIO DO PERDÃO
O Senhor, nosso Deus, é bondoso e misericordioso e os aceitará se vocês voltarem para ele (2 Crônicas 30.9). Todo aquele que, de todo coração, se volta para o Senhor, Ele os recebe, assim como o filho pródigo é recebido de braços abertos pelo Pai amoroso na parábola do filho pródigo. Alicerçados nesta palavra, podemos ter a certeza que, sim, Ele nos concede o seu perdão.

KYRIE
O apóstolo Paulo escreve: Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora (Rm 8.22). Várias são as causas de todos os sofrimentos espalhados pelo mundo: Guerras, perseguições, indiferença. Entretanto, na raiz de tudo isto, está o desprezo ao Deus verdadeiro, revelado em Jesus Cristo. O afastamento de Deus, por causa do pecado, resulta em dores. Em oração, cantemos juntos: Pelas dores deste mundo…

GLÓRIA IN EXCELSIS


CANTO:
471 – HPD II – Glória Pra Sempre...

ORAÇÃO DO DIA
Senhor Deus, somos gratos a Ti pelas nossas vidas! Obrigado porque, assim como o sol nasce todas as manhãs, também as tuas misericórdias se renovam sobre cada um de nós. Agradecemos porque permites a cada um de nós o encontro contigo. Não é mérito nosso, mas é graça Tua! Por isso, esse culto é motivo de gratidão. Aqui, queremos ser esvaziados de tudo o que atrapalha, para que tua Palavra encha e preencha as nossas vidas com orientação, consolo e encorajamento. Cada vida presente neste culto, nós colocamos sob Tuas mãos para que tu fales a nós. Certamente, tens propósitos para as nossas vidas, por isso também estamos aqui. Abra ouvidos e corações e que Tua Palavra trabalhe em nós, para que sempre possamos ser reflexos Teus em todos os lugares em que estamos, amém!

LITURGIA DA PALAVRA

LEITURA BÍBLICA
Salmo 68.1-10; 32-35.

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
383 – HPD II – A lei do Senhor é perfeita...

PREGAÇÃO
Certamente, todos nós já experimentamos dificuldades! Na vida, lá e cá, momentos de profunda angústia e preocupação nos pegam de surpresa nos descaminhos da vida. Perdas, quebras de relacionamento, dificuldade financeira, medo, depressão, problemas conjugais, entre tantos outros. Nestes momentos difíceis da caminhada de fé, são poucas as coisas que realmente trazem conforto e tranquilidade de verdade para nós. Entre tantas frases, conselhos, abraços e tentativas de apoio que recebemos, certamente, especialmente para aqueles que são cristãos, uma das coisas que mais consola é saber que alguém está intercedendo em oração pela sua vida: “Eu tenho orado por você!”.
É bom ouvir e saber disto. É tão bom que, inclusive, pedimos para que outras pessoas também intercedam por nós em suas orações diárias. Filhos que saem de casa para dar os primeiros passos sozinhos, ficam felizes e mais seguros quando são lembrados pelos pais que eles estão orando por sua vida.
No texto previsto para o dia, uma oração de Jesus. Quando a morte de Jesus ia se tornando cada vez mais concreta, Ele também intercede por aqueles que ama. O capítulo 17, do livro de João, mostra o Cristo amoroso que no momento mais angustiante da sua vida, ao necessitar de consolo, ora pelos seus discípulos para que eles sejam guardados e consolados. Leitura de João 17.1-11:
Tendo Jesus falado estas coisas, levantou os olhos ao céu e disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que o Filho te glorifique a ti, assim como lhe conferiste autoridade sobre toda a carne, a fim de que ele conceda a vida eterna a todos os que lhe deste. E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste. Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer; e, agora, glorifica-me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que eu tive junto de ti, antes que houvesse mundo. Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra. Agora, eles reconhecem que todas as coisas que me tens dado provêm de ti; porque eu lhes tenho transmitido as palavras que me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste. É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus; ora, todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e, neles, eu sou glorificado. Já não estou no mundo, mas eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós. (João 17.1-11 ARA)
A Oração Sacerdotal de Jesus é um clássico no livro de João! Lutero disse que “realmente, é uma oração profundamente fervorosa, feita de todo o coração; uma oração em que Ele desvenda, tanto para nós como ante o Pai, os abismos de seu coração, derramando os seus tesouros...”. Uma oração de conteúdo infinito e libertador! Ela pode ser dividida em três partes: 1-5: Jesus ora por sua glorificação! 6-19: Jesus ora pelos seus discípulos! Os que foram separados por Deus; 20- 26: Jesus ora, inclusive, pelos que ainda viriam a crer!
São as últimas palavras de despedida! Jesus, neste momento, está consciente do Seu sofrimento iminente! Está claro, para Ele, que a morte de cruz logo aconteceria: Era chegada a hora! O grão de trigo precisava morrer para produzir o fruto, conforme a parábola (Jo 12)! As palavras do início do Evangelho de João (João 1.14) ganham contornos marcantes para o fim do livro, onde a glorificação de Jesus vai ser completa: Na cruz! É na cruz que o filho de Deus é glorificado!
Toda expectativa messiânica tradicional é frustrada na morte de Jesus! Sim, esperavam o Messias poderoso, que traria a paz a qualquer custo e, de repente, ali onde foi depositada a esperança, existe morte. Bonhoeffer diz que “A glória desta cruz é um sinal de contradição, é glória na humilhação.” Morto para gerar vida!
Ora, mas convém ao sacerdote que ore antes do seu sacrifício. Era costume e tradição judaica! E, Jesus, o grande sumo sacerdote, ora antes do sacrifício que seria suficiente para todo o sempre! Ora primeiro por si, e, em seguida, lembra dos discípulos que lhe foram confiados pelo próprio Deus. Interessantemente, pouco tem a dizer sobre si. São apenas 5 versículos! Há dedicação de tempo e de palavras em relação àqueles, pelos quais, Ele iria entregar a vida. Todo o restante do capítulo é em favor do próximo! Dos que creem e dos que viriam a crer.
Em nosso texto, querida comunidade, dois desejos de Jesus em relação aos discípulos ficam bem claros e evidentes: Que os discípulos sejam guardados para que sejam um, assim como o Pai e o Filho também o são (v.11).
Num primeiro momento, o desejo expressado por Jesus é que o Pai os guarde, literalmente, cuide, preserve e mantenha aqueles que são seus. Que presente, querida Comunidade! Claro, contextualmente, Jesus está pensando nos apóstolos, mas, certamente, se estende a nós! O Filho de Deus intercedendo para que Deus nos dê cuidado, nos guarde! Não que Deus já não estivesse cuidando, mas agora ganha contornos ainda mais especiais. Aqui, vale lembrar o texto de Mateus: Observai as aves dos céus: Não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai Celeste as sustenta. Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves?(Mt 6.26 ARA). Se enquanto criador, Ele já nos cuida, neste texto, esse cuidado ganha reforço especial! O próprio Cristo intercede por aqueles que foram chamados das trevas para a luz. Meu desejo é que você e eu possamos experimentar a segurança e o consolo na certeza de que somos lembrados por Deus e que, constantemente, recebemos o Seu cuidado sobre nós.
O cuidado de Deus sobre nós não é um fim em si mesmo, mas aponta para um objetivo ainda mais concreto, que é o segundo desejo de Jesus: Para que sejamos um! Este é o desejo especial de Deus para cada um de nós. Que assim como Ele e o Pai são um, sejamos nós também! Que assim como eles experimentam o amor desinteressado, a harmonia e a sinceridade na relação trinitária, nós também experimentemos. Claro, vivemos em um mundo caído e manchado pelo pecado, mas precisa permanecer como objetivo, como alvo: Que sejamos um! O apóstolo Paulo entendeu muito bem este desejo de Deus quando escreveu que a Igreja é um corpo! Várias partes, várias funções, todas importantes, mas precisa funcionar em harmonia.
E, ainda, a oração sacerdotal de Jesus, além de lembrar-nos deste Deus cuidador que convida para a unidade, me chama a oração! Orar por mim mesmo e, a partir disto, lembrar do meu próximo. Não há egoísmo em orar por mim mesmo, mas a oração, inevitavelmente, aponta para o meu próximo, senão é vazia. As palavras de Jesus chamam a colocar em prática o amor e o perdão em relação ao próximo. Sem amor e sem perdão, o corpo que deveria ser singular (um), vira plural (muitos) e cada um vai andando como bem entende, longe dos propósitos originais de Deus.
Que Deus nos abençoe e oriente para a pró-atividade em sermos um, cuidando uns dos outros, como Ele nos cuida, seja em oração, palavras ou atitudes! Amém!


HINO
328 - HPD II – Um só rebanho, um só Pastor...

CONFISSÃO DE FÉ
Em resposta ao Evangelho lido e pregado, queremos confessar juntos a nossa fé com as Palavras do Credo Apostólico, que dizem:

Creio em Deus Pai, ...

CANTO PÓS CONFISSÃO (Motivação e recolhimento de ofertas)

- 286 – HPD I – Obrigado, Pai Celeste...

AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Destino da oferta: _________________________________________
Oferta último Culto: R$________ destinada ____________________ ________________________________________________________
________________________________________________________

ANIVERSARIANTES
________________________________________________________
________________________________________________________

ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Motivos de Oração
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
Senhor Deus, ouve o clamor da Tua Igreja. Ouve quando colocamos cada um destes motivos de oração sob os Teus cuidados e proteção. Os colocamos diante de Ti, pois só tu és fiel, Senhor. Tu conheces cada um destes motivos que foram colocados aqui nesta noite e, ao mesmo tempo, conhece também aquilo que não externamos. Pedimos humildemente que, onde necessita consolo, console. Onde perdão, perdoe. Onde saúde, dê saúde. Entretanto, nos colocamos embaixo de Tua vontade em cada um destes motivos. É a Tua vontade que buscamos aqui. Entregamos, integralmente, tudo em tuas mãos quando oramos, juntos, a oração comunitária que Jesus nos ensinou ao orar dizendo:

PAI NOSSO
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA
BÊNÇÃO
Que o Senhor te abençoe e te guarde, que o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti, que o senhor levante o seu rosto sobre ti, e te dê a paz. Amém.

ENVIO
Ide na paz do Senhor e servi ao Senhor com alegria! Uma ótima semana a todos. Que Deus nos permita estarmos juntos no próximo culto. Bom domingo a todos.

CANTO FINAL
377 – HPD II – A paz do Senhor...
 


Autor(a): P. Diogo Rengel
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo da Páscoa
Natureza do Domingo: Páscoa
Perfil do Domingo: 7º Domingo da Páscoa
Testamento: Novo / Livro: João / Capitulo: 17 / Versículo Inicial: 1 / Versículo Final: 11
Título da publicação: Caderno de Cultos - Sínodo Mato Grosso / Ano: 2017
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 40749
REDE DE RECURSOS
+
O ponto principal do Evangelho, o seu fundamento, é que, antes de tomares Cristo como exemplo, o acolhas e o reconheças como presente que foi dado a ti, pessoalmente, por Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2017 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br