1 Pedro 1.17-23 - 3º Domingo da Páscoa - 30.04.2017

Caderno de Cultos 2017

30/04/2017

LITURGIA DE ABERTURA

ACOLHIDA
Bom dia (ou boa noite) a todos. Sejam todos bem vindos a este culto. Quero saudar a comunidade com as palavras do Salmo 95.6-7: “Venham! Adoremos prostrados e ajoelhemos diante do Senhor, o nosso Criador; pois ele é o nosso Deus, e nós somos o povo do seu pastoreio, o rebanho que ele conduz”. Sinta-se acolhido neste culto por estas Palavras.

Agradecemos aos que nos visitam, que também possam se sentir bem acolhidos por esta Palavra, ...

CANTO DE ENTRADA
Nº 107- Hinário – Bem de manhã

Ou: Nº ____________________________________________________

SAUDAÇÃO
Iniciamos este culto em nome do Trino Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

CANTOS DE INVOCAÇÃO
Nº 254 - Hinário – Grandioso és tu.

Ou: Nº ____________________________________________________

CONFISSÃO DE PECADOS
Deus da graça e da verdade, muitas vezes perdemos a ligação contigo e com o próximo. Nós confessamos que, muitas vezes, nos esquecemos de que nosso Senhor Jesus Cristo morreu na cruz e ressuscitou por amor a todos nós. Nós confessamos que, muitas vezes, nos esquecemos dos valores do reino e que o propósito real da nova vida em Cristo é o amor fraternal. Nós confessamos que nos esquecemos de testemunhar os teus feitos em vidas. Apresentamos-te nossa grande culpa e te pedimos perdão. Perdão, Senhor!

ANÚNCIO DO PERDÃO
Em 1 João 1.9 lemos: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda a injustiça”. Que o nosso coração encontre descanso e paz nessa promessa.

KYRIE
Quando somos perdoados por Deus, podemos encher o nosso coração de alegria. E essa alegria nos convida a orar também pelas outras pessoas. Por isso queremos nos colocar ao lado das pessoas que sofrem dores e injustiças. Para isso, queremos cantar juntos:

GLÓRIA IN EXCELSIS
Cremos na soberania e no cuidado de Deus sobre nossas vidas e mundo em que vivemos. Por isso queremos glorificar o Seu nome cantando: “Pelas dores deste mundo ó Senhor”
253 – HPD 1 – Glorificado
ORAÇÃO DO DIA
Deus, contigo a vida tem um novo valor, porque somos envolvidos/as pela ação salvífica de Deus por meio de Jesus Cristo. Sabemos que nenhum esforço humano se iguala ao sacrifício que realizaste em nosso favor através de Jesus Cristo. Com isso, pela gloriosa ressurreição de Jesus, teu Filho, destruíste a morte e trouxeste à luz a imortalidade. Concede a todos/as nós, que fomos ressuscitados com Ele, que permaneçamos na sua presença e nos alegremos na esperança da glória eterna; por Jesus Cristo, nosso Senhor, que vive e reina contigo, e pelo Espírito Santo, um só Deus, por todo o sempre. Amém!

LITURGIA DA PALAVRA

LEITURAS BÍBLICAS
1ª Leitura Bíblica: Atos 2.14a, 36-41

2ª Leitura Bíblica: Lucas 24. 13-35

3ª Leitura Bíblica: 1 Pedro 1. 17-23

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
Nº 380 – HPD 2 – A Tua Palavra

PREGAÇÃO
1 Pedro 1.17-33
Vamos pensar na nossa vida nestes termos: Jornada. Como Cristãos, nossa vida é uma jornada (ou peregrinação). Vamos dividir em três tempos: Primeiro tempo se deu antes da redenção pelo precioso sangue de Jesus Cristo; Segundo tempo, que é o atual, teve início desde a nossa redenção pelo precioso sangue de Jesus Cristo derramado na cruz, por cada um de nós; Terceiro tempo, ainda virá, tempo da glória em que as nossas vidas serão celestes, isto é, viverão na dimensão do céu, perfeitos na presença daquele é já é perfeito.
Se nossa vida é uma jornada, ela é, ao mesmo tempo, tão importante quando relativa. Nossa vida é importante porque nos foi entregue por Deus, tendo, portanto, nascido no céu, nós somos feitos a imagem de Deus, para que a vivamos aqui na terra e deve ser vivida com temor. Nossa vida é relativa porque não termina aqui, porque vai continuar no céu, não devemos então, nos apegar a ela aqui como se não fosse uma jornada.
Deve ser vivida na perspectiva da flor, que é linda, mas vai desaparecer. Quando uma flor desaparece, desaparece; Quando uma vida humana desaparece, nasce na outra, onde tem início o terceiro tempo da nossa jornada – vida Eterna quando Jesus voltar.
O apóstolo Pedro está preocupado, e nós devemos estar também, com a segunda etapa da nossa jornada. Quando, nos versos 23-24, ele cita Isaías 40.7-8 seca-se a erva, e caem as flores, soprando nelas o hálito do Senhor. Na verdade, o povo é a erva; seca-se a erva, e cai a sua flor, mas a Palavra do nosso Deus permanece eternamente”. O apóstolo Pedro quer nos mostrar que não podemos nos apegar ao terceiro tempo da nossa jornada como se fosse o único.
Antes, devemos viver a jornada de agora com temor.
Na Bíblia, especialmente no livro de Provérbios, aprendemos que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Queremos saber (sabedoria), mas não queremos temer (temor). Nossa época não quer temer a Deus porque não querer perder a sua liberdade.
E nossa época diz isto por não entender o que significa temer a Deus, que é tudo, menos ter medo.
Ignorantemente nossa cultura pensa que temer é ter medo.
Nossa cultura não entende que tememos a Deus quando O chamamos de Pai (verso 17). Não se tem medo de pai bom, só de pai ruim, que não ama de fato. De pai bom se tem respeito, consideração, reconhecimento por seu amor, atenção às suas palavras.
Nossa cultura não entende que tememos a Deus quando sabemos que somos julgados por Ele imparcialmente. Diferentemente de nossa cultura, que defende que cada um de nós é seu próprio juiz, precisamos ter a coragem de desejar este julgamento, que é melhor que o julgamento dos homens, sempre injusto.
Nossa cultura não entende que tememos a Deus quando reconhecemos que fomos amados por Ele de tal modo que Ele nos comprou, não com moedas que passam, mas com o sangue imperecível do Seu Filho Jesus Cristo.
Nossa cultura acha que só tem valor o que pode ser comprado com dinheiro.
Nossa cultura não entende que tememos a Deus quando O convidamos para purificar as nossas vidas, redimindo-nos de uma vida vazia para uma vida com pleno sentido.
Nossa cultura propõe que nos lambuzemos com o pecado. Quem teme a Deus quer ser purificado por Ele.
Nossa cultura prega o amor romântico, que é o amor entre iguais, o amor da troca. Nossa cultura não entende que tememos a Deus quando nos dispomos a amar o nosso próximo, sejam eles iguais a nós ou diferentes de nós (e não apesar de serem diferentes, mas por serem diferentes).
Nossa cultura não sabe o que é amor. Nós também não, a menos que temamos a Deus. Quando tememos a Deus, consideramos a nossa vida como um presente de Deus que deve ser gasta à toa; mas como um instrumento para tornar felizes outras vidas.

Temer a Deus é amar a Deus. Quem ama a Deus não perde a sua liberdade; antes, realiza-a. Temer a Deus é falar com Ele como se fala como a um amigo, a exemplo do que fazia Moisés, sobre quem a Bíblia informa: O Senhor falava com Moisés face a face, como quem fala com seu amigo (Êxodo 33.11a). Abraão é também chamado de amigo de Deus, pela fé que tinha (cf. 2Crônicas 20.7; Tiago 2.23 -- Cumpriu-se assim a Escritura que diz: “Abraão creu em Deus, e isso lhe foi creditado como justiça” e ele foi chamado amigo de Deus).
Temer a Deus é contar com Ele como amigo. Mesmo em seu lamento, Jó compreendeu perfeitamente esta característica do amor de Deus para conosco, quando gritou: Saibam que agora mesmo a minha testemunha está nos céus; nas alturas está o meu advogado. O meu intercessor é meu amigo, a quando diante de Deus correm lágrimas dos meus olhos; ele defende a causa do homem perante Deus, como quem defende a causa de um amigo (Jó 16.19-21).
Eu disse que quem ama a Deus não perde a sua liberdade; antes, realiza-a. E eu o digo autorizado por Jesus Cristo, que disse aos seus discípulos, o que nos inclui, se somos seus discípulos: Já não os chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu senhor faz. Em vez disso, eu os tenho chamado amigos, porque tudo o que ouvi de meu Pai eu lhes tornei conhecido (João 15.15).
Por isto, não tenhamos dúvidas: nossa jornada, com temor a Deus, é contra cultural.
A quem queremos ouvir? A cultura, que tem seus modismos, que vão como voam as folhas ao vento, ou a Palavra de Deus, que permanece para sempre (verso 22)?
Mas o que é viver com temor? A apóstolo Pedro nos responde.
1. Viver com temor (temor a Deus, evidentemente) é viver com fé e esperança (verso 22). Ter fé aqui não é ter fé para a salvação; aqui é ter confiança em Deus; esta confiança permite uma vida em liberdade, sem a ansiedade de se corroer com a perspectiva de que Deus não vai agir: confiar é saber, na alma e no corpo, que Deus vai agir. Ter esperança é manter a confiança contra todas as evidências, mesmo de mortes anunciadas.
2. Viver com temor (temor a Deus, claramente) é amar, não amar quem é igual a nós, mas quem é diferente de nós; não é amar apesar das diferenças, mas amar por causa das diferenças. Tendemos preferir nos relacionar com Deus (em adoração) a nos relacionar com o outro (comunhão) com medo das perdas ou das decepções ou das críticas dos seres humanos.
Pedro nos lembra que amar é obedecer. Amar é um mandamento, não uma opção; não escolhemos amar ou não amar. Recebemos o mandamento de amar. Jesus foi claro: Vocês serão meus amigos, se fizerem o que eu lhes ordeno (João 15.14). Pedro nos convida a amar uns aos outros como uma consequência de nossa salvação (verso 20). Nem todos os que amam são salvos, mas todos os salvos amam. Se não ama, antes vivem detonando a tudo e a todos, não é salvo, não é obediente.
E agora o que faremos? O que precisamos para poder viver com temor a nossa jornada?
Pedro considerava que seus leitores estavam prontos para esta jornada de temor (de temor, mas sem medo, preciso repetir).
Seus leitores foram redimidos de sua maneira vazia de viver pelo precioso sangue de Jesus Cristo (versos 18-20).
Seus leitores foram purificados quando creram (verso 22).
Seus leitores foram regenerados por meio da Palavra de Deus (verso 23-24), a mesma que disse em Gênesis 1: faça-se.
Redimidos, purificados, regenerados. Essas expressões são, na verdade, sinônimas. A cada frase Pedro diz a mesma coisa. É a sua maneira de argumentar. Cada uma destas frases, no entanto, destaca uma faceta da ação de Deus para nos salvar.
O que precisamos para poder viver com temor a nossa jornada? Precisamos ser redimidos, precisamos ser purificados, precisamos ser regenerados. Quando isto acontecer, seremos crentes em Deus (verso 21.)
O que precisamos fazer para ser redimidos, purificados e regenerados?
Precisamos crer em Deus, o Pai de Jesus Cristo, a quem ressuscitou dentre os mortos (verso 21).
E agora como creremos? O que precisamos fazer para crer em Deus?
1. Precisamos reconhecer que a nossa maneira de viver é vazia. Nós e nossa maneira de viver somos como a relva (versos 24-25; cf. Isaías 40.6-8 -- Uma voz ordena: “Clame”. E eu pergunto: O que clamarei? “Que toda a humanidade é como a relva, e toda a sua glória como as flores do campo. A relva murcha e cai a sua flor, quando o vento do Senhor sopra sobre eles; o povo não passa de relva. A relva murcha, e as flores caem, mas a palavra de nosso Deus permanece para sempre”.) A primeira geração humana, depois da queda, nos transmitiu essa maneira vazia de viver (verso 18). Embora atingidos pela queda, não precisamos viver sob o seu império para sempre. Este é o primeiro tempo da jornada de todo ser humano, porque essa maneira vazia de viver tem sido transmitida de geração em geração. Podemos ficar nesta marcha ou podemos passar para a segunda etapa.
2. Para sair deste primeiro tempo, precisamos renunciar à nossa maneira vazia de viver, autossuficiente, mas vazia; prepotente, mas vazia. A vida é apenas uma jornada, que terá fim.
3. Precisamos reconhecer que podemos ser redimidos pelo sangue de Jesus Cristo. Pedro chama a este sangue de precioso, porque vindo de um cordeiro sem mancha e sem defeito. Ele alude ao sacrifício realizado no Antigo Testamento. Todo pecado precisava ser redimido com um sacrifício, desejadamente um cordeiro perfeito, que seria oferecido em lugar do pecado cometido (Levítico 14.13, entre muitos outros textos).
Redimir é fazer uma troca; em lugar do pecador, morria um cordeiro. Foi assim no Antigo Testamento. No Novo, o Cordeiro (Jesus) já foi entregue.
4. Precisamos aceitar o sacrifício deste Cordeiro (Jesus Cristo) para sermos redimidos. Já não é preciso sacrifício algum de nossa parte. Jesus morreu em nosso lugar, para que tenhamos vida.
A nossa fé não produz o sacrifício. A nossa fé não produz a salvação.
O que ela faz? Gosto de pensar que a fé ativa o sacrifício. A fé liga a tomada. A fé acende o fogo. A fé dá a partida no carro. A fé põe a cruz em ação.
Antes de concluir, preciso destacar uma palavra do apóstolo Pedro para os que já são crentes. Diz ele: a fé e a esperança de vocês estão em Deus (verso 21). Pode ser, meu irmão, que por alguma razão você não esteja vivendo a jornada com temor, logo ande fraco, quase sucumbindo à antiga maneira de viver, sem alegria da salvação, sem coragem para viver de modo digno do evangelho. Pode ser, mas a fé e a esperança já foram inoculadas em você por Jesus Cristo; ative sua fé e esperança. Pedro usa a imagem de semente: a semente já foi colocada em você; deixe que ela cresça e se desenvolva. Não continue a sufocar Jesus Cristo. Amém
(autor da pregação: Israel Belo de Azevedo)

HINO
Nº 176 – HPD1 – Deus teu amor

CONFISSÃO DE FÉ
Motivação para Confissão de fé.

Creio em Deus Pai, ...

CANTO PÓS CONFISSÃO (proceder motivação e o recolhimento das ofertas)
Nº 286 – HPD 1 – Obrigado Pai Celeste


ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Motivos de Oração:
1. Aniversariantes
2._______________________________________________________
3._______________________________________________________
4._______________________________________________________
5._______________________________________________________
6._______________________________________________________

Senhor nosso Deus, agradecemos por esse culto e pela Palavra lançada em nossos corações. Que possamos viver com temor a nossa jornada terrena lembrando de quem somos filhos e qual é a vontade de Deus e Pai para conosco. Agradecemos pelos aniversariantes porque sabemos que a vida é dádiva das tuas mãos. Que o Senhor conceda saúde e renove a fé e a esperança em suas vidas. Queremos interceder pelas pessoas que precisam de cuidados especiais...... Pelos governantes do nosso País ... dá a cada um temor, sabedoria e discernimento nos exercício de seu ofício. Abençoa todas as atividades da nossa IECLB, nossa Paróquia, nossa Comunidade, conduza-nos em tudo que fizermos. Assim pedimos e agradecemos em nome de Jesus que nos ensinou a orar Pai nosso .....

PAI NOSSO
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA

AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Oferta último Culto: R$ _________ - destinada para ...
______________ _________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________

BÊNÇÃO
Que o Senhor te abençoe e te guarde, que o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti, que o Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz. Amém.

ENVIO
Vamos em paz e no amor de Deus sirvamos ao Senhor com grande alegria.

CANTO FINAL
Nº 118 – HPD 1 – Deus vos guarde
 


Autor(a): Miss. Dulcenelda Schneider
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo da Páscoa
Natureza do Domingo: Páscoa
Perfil do Domingo: 3º Domingo da Páscoa
Testamento: Novo / Livro: Pedro I / Capitulo: 1 / Versículo Inicial: 17 / Versículo Final: 23
Título da publicação: Caderno de Cultos - Sínodo Mato Grosso / Ano: 2017
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 40745
REDE DE RECURSOS
+
Quem conhece Deus também conhece as criaturas, as compreende e as ama, pois, nas criaturas, estão as pegadas da divindade.
Martim Lutero
© Copyright 2017 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br